Novidades

25 de julho de 2017

TOP Escritores (ou quase) no Dia do Escritor



Basicamente? é Dia do escritor e fizemos um TOP escritores (ou não...). Tem autor nacional, tem autor argentino, e, como não podia deixar de ser, tem o Neil Gaiman. Sim, ele tá em todas. Mas bora começar com esse negócio aí...



~.~


5 - Bernard Cornwell (por Lojinha)


Eu gosto do Cornwell por causa da narrativa dinâmica. Ele dá voltas, repete ideias e demora anos para chegar a algum lugar, mas a escrita dele é tão boa que passa por cima de tudo isso para dar excelentes livros.


4 - Machado de Assis (por PCB)


Quando se fala em seu nome, muitos pensam: "credo, brasileiro; livro de escola". Porém, a qualidade da escrita de Machado é inquestionável. Nos mais diversos gêneros literários - com foco em seus romances realistas, que apresentam uma visão crua e crítica de nossas vidas ordinárias (vide Brás Cubas: "Veio, viu, venceu coisa nenhuma, viveu mediocremente, morreu").


3 - Monteiro Lobato - Sítio do Picapau Amarelo (por Aquaman)


Sim, esse é um tópico sobre “escritores preferidos” e tal. Mas eu não tenho como dizer que tenho um autor preferido. Não colocaria nem o Neil Gaiman como "o"cara, mesmo tendo Sandman como um dos quadrinhos que mais me marcaram. Eu não saberia dizer hoje se existe algum escritor a quem eu daria esse título. Mas Monteiro Lobato marcou minha infância. Ou melhor, seus livros infantis marcaram. Além das reprises do “Sítio do Picapau Amarelo” na TV, eu tive o jogo de vídeo game (que eu tenho até hoje) baseado no sítio, e também tive acesso aos livros na escola onde estudei do pré-escolar até a 4ª série. Acho, até hoje, uma das coisas mais fantásticas já criadas para crianças. Sempre trazendo histórias ligadas ao folclore nacional (“O Saci”), o sítio também trazia personagens e histórias clássicas das fábulas e contos europeus, como as das princesas, pequeno polegar, gato de botas, entre outros, que interagiam com aquele universo e com os personagens do autor. Também há as incursões na mitologia grega (“O Minotauro” e “Doze Trabalhos de Hércules”), que são, sem dúvida alguma, uma excelente porta de entrada para quem quer quiser conhecer algumas dessas histórias, como a do labirinto e do minotauro, da bruxa medeia e seu caldeirão mágico e assim por diante, afinal, está claro e evidente para quem sabe ler que foi a Emília que ajudou o Hércules a capturar a corça do monte Cerineu usando o faz de conta, não é verdade?

Outros livros da “serie” que valem a pena ser citados são: “Emília no País da Gramática”, “Don Quixote das crianças”, “Histórias de Tia Nastácia”, “A Chave do Tamanho”, e “A Reforma da Natureza”.

E não, não é por gostar dos livros que acho que temos que passar pano pro racismo e eugenia do autor. É uma mancha, uma marca que deve sim ser revista hoje em dia. E nem venham falar em anacronismo. É algo que deve ficar, ser sempre um sobre aviso, afinal, não é todo autor que defende a Ku Klux Klan não é mesmo? E que tais ideias não estão só em cartas pessoais e afins, como também em obras como seu livro “O Presidente Negro”.


2 - Alan Pauls (por Doncas Murro)


O autor argentino é craque em narrativas densas e também naqueles livros que parecem não sair do lugar enquanto mergulham na mente dos personagens. De qualquer maneira, é sempre um deleite ver a forma como ele desenvolve suas ideias e como escolhe cada palavra. Todas as suas obras são boas, mas recomendo especialmente "O Passado", que chegou a virar filme com Gael Garcia Bernal e Paulo Autran.




1 - Neil Gaiman (por Lorde Mamilos)


Minha devoção pelo "Novo HomenGay" data de quando comecei a ler "Sandman". Sem conhecer outras obras do autor, já havia me encantado pela destreza de Gaiman em tratar mitologia e poesia de uma forma tão natural. Após ler seus livros mais famosos e outros quadrinhos com seu roteiro, me apaixonei pela facilidade com que ele escreve. Com toques de melancolia e comédia, suas obras variam desde tratados sobre mitologia nórdica, contos africanos e poesia arcaica.


"Pô, primeira coisa que li do Gaiman foi 'Coraline', eu nem curtia livros antes disso. Lia na biblioteca do colégio, tinha que ler meio escondido pra não correr o risco de ser chamado de...", Fala do Capitão do PdI, também sobre o Gaiman.


~.~


Bom, esse foi mais um TOP aqui do PdI. Esperam que tenham gostado. Se curtiram, deixem aí sugestões de autores que não foram citados por aqui, ou só de obras mesmo que valham a pena ser compartilhadas, e também sobre o que acharam das nossas indicações. Ah, e aqui no PdI também temos nossos escritores. Sejam nas hq's ou nos livros, vocês podem apoiá-los clicando nos links abaixo.



Até a próxima ;)

Atos Finais