Novidades

sexta-feira, 5 de maio de 2017

TOP 5 Jogos de luta de Super-Herois


E não é que isso aqui ainda existe...




Olá, como vocês tão? Cês tão bem? Estamos voltando a postar com mais regularidade para evitar o fim desse blog que nossos dois leitores fieis deixem de ter acesso as barbaridades que postamos por aqui.

Pois bem, como já deu pra notar, esse aqui é um TOP de jogos de luta com super-heróis que meio que  me surgiu agora, quando voltei pra rejogar "Ultimate Marvel vs Capcom 3", que é um jogo bem bacana até. Então, bora começar logo, sim?

(~.~)


5 - Justice League Task Force (Snes e Mega Drive)


"Justice League Task Force", ou "Força Tarefa Liga da Justiça" é um jogo de luta com os personagens da Liga para os consoles 16 bits. A verdade é que...ele não é muito bom. Acabou entrando aqui mais pela nostalgia de quando eu pude jogá-lo na infância. O game possui meio que um modo história, que vai apresentando alguns textos durante as lutas que apresentam e vão explicando detalhes da história. A animação não é lá das melhores mesmo, infelizmente, mas os sprites dos personagens até que são bacanas. Ruim mesmo são os controles, meio duros, que acabam deixando as coisas mais complicadas. Jogos de luta precisam de boas mecânicas, bons controles e um balanceamento dos personagens. Infelizmente, esse aqui acaba pecando em quase todos esses quesitos. Mas vale pela nostalgia.


4 - Injustice: Gods Among Us (PC, Xbox 360, PS3 e PS4)




Em 2011 a NetherReal Studios ressuscitou sua principal franquia, Mortal Kombat (ou Mortal Kombat 9), com um belo jogo, que possuía gráficos bacanas, jogabilidade fluida, e que traçaria os novos rumos de MK, funcionando como uma espécie de retcon de tudo que já havia acontecido no passado. A coisa toda aparentemente funcionou, e o game se tornou sucesso de público e crítica. Eis que em 2013 eles lançam 'Injustice: Gods Among Us", um jogo de luta que, na prática, deveria ser um MK com personagens da DC Comics. E acabou que...funcionou. Não há dúvidas do sucesso de Injustice. O quadrinho que funciona como prequel só foi finalizado em 2016, e recebeu ainda uma continuação. Basicamente, a trama do jogo se passa em uma realidade alternativa, onde o Coringa assassina Lois Lane, enfurecendo o Superman que o mata, e resolve que ele mesmo vai governar o mundo como um déspota. Daí nasce um conflito e heróis e vilões toma lados diferentes em busca da sobrevivência, de enfrentar o regime criado pelo Super, ou se juntando a ele e combatendo os "rebeldes".

Confesso que considero a jogabilidade de Injustice menos fluída que a de MK 9, um pouco mais dura. Aliando isso a falta de uma violência mais, digamos assim, gráfica, fica claro que o jogo não é simplesmente um "Mortal Kombat com skins da DC".

Um grande ponto negativo são os personagens via DLC. Por mais que seja bacana poder jogar com o General Zod, Caçador de Marte, Batgirl, etc, acaba não valendo muito a pena comprar o jogo logo de cara, e sim esperar a Ultimate Edition que veio posteriormente com TODOS os personagens, todas as roupinhas, etc. Outra crítica vai pro visual de alguns personagens. Aqui e ali, alguns modelos claramente se destacam mais que os outros, e acabam ficando toscos. Vale lembrar que o game saiu perto do fim da vida útil do X360 e PS3, o que talvez explicaria algumas das limitações ali presentes.


3 - Marvel Super Heroes Vs Street Fighter (Arcade, PS1, Sega Saturno)



A parceria e o crossover da Marvel com a Capcom já são antigos e reconhecidos. Jogos muto bonitos e bacanas saíram daí. Primeiro tivemos um jogo de luta dos mutante, "X-Men: Children of the Atom". Em seguida, o primeiro crossover com "X-Men vs Street Fighter" que tinha personagens bacanas que não participaram dos jogos seguintes e que, na minha humilde opinião, fizeram falta, como a Vampira (que quando beijava outro personagem falava alguma frase que eu interpretava como 'you're not superman...') e o Fanático.

Eis que em 97 chega "Marvel Super Heroes vs Street Fighter". Com gráficos ainda mais polidos que os das versões anteriores, reutilizando alguns dos sprites e adicionando uma coisinha aqui outra ali. O jogo é bastante colorido, possui uma jogabilidade mais rápida e frenética que seus antecessores. Em termos de balanceamento o jogo é até ok, mesmo que o Wolverine acabe sendo sempre um dos mais apelões. Ainda na parte gráfica do jogo, os cenários estão mais vivos e bonitos, e a trilha-sonora é muito boa. Em especial, destaco o tema do carcaju canadense.



2 - Mortal Kombat vs DC Universe (PS3 e Xbox 360)



Sim, eu realmente gosto desse jogo. Muita gente o condena porque "é um mortal kombat sem sangue", "ain, os fatalitys são muito sem gracinha". Bom, vou ser bem sincero. O jogo, mesmo para a época, possuía gráficos meio fracos, e as personagens femininas, em especial a Mulher-Maravilha, era bem, bem tosca. E a história também era bem, bem tosca, não se compara ao que fizeram com Injustice. Porém, este jogo tinha algo que eu achava extremamente bacana: controles simples. A jogabilidade não é tão "dura" quanto a do Injustiça, é mais rápida, fluída, e fácil de pegar.  Qualquer meia lua para trás/frente + algum botão de ataque e o personagem já soltava algum poderzinho, ataque especial, fora o lance em que você meio que jogava o personagem pra fora da arena e enquanto ele ia caindo você podia bater e aumentar o dano, ou, se o seu adversário apertasse o botão certo, você trocava de lugar com ele e passava a apanhar. Certamente não é o jogo mais memorável de todos, mas é um jogo que sempre me divertiu, muito pela sua simplicidade. Lembro de jogar várias partidas contra meus amigos e me divertir pra caramba. Ah, e se vocês acham o Exterminador de Injustice apelão, o desse aqui é bem mais foda. Saudade dos finais de luta em que os personagens apareciam com a roupa toda rasgada e sangrando toscamente...


1 - Marvel vs Capcom: Clash of Super Heroes (Arcade, PS1, Dreamcast)




Marvel vs Capcom 2 e 3 são legais (o 2 mais que o 3...IHHHH). Mas pra mim, não conseguem superar o primeiro. Ele é, basicamente, a evolução e um exemplo de polimento de todos os jogos anteriores dessa parceria. Ele é mais bonito, traz visuais e cenários mais bem feitos, extremamente colorido, e conta com uma boa trilha-sonora. Outro ponto bacana é a presença de personagens como o Capitão Comando, Strider Hiryu e Jin Saotome, todos do lado da Capcom, que meio que tem os personagens mais legais nesse jogo, embora Venon seja uma boa adição ao time Marvel. Além disso, o jogo possui diversos personagens que funcionam como "suporte" nas lutas, atacando seus inimigos pra você. Os suportes mais poderosos como o Fanático, por exemplo, podem ser usados poucas vezes, enquanto outros com golpes mais modestos como o Rei Arthur de "Ghosts'n Goblins" podem atacar mais vezes, porém, gerando menos dano aos inimigos. Acho que não tem muito mais o que falar desse jogo, já que ele é uma versão aprimorada e polida dos jogos anteriores dessa parceria, Vale lembrar que a versão de Arcade é bastante superior a de PS1, que sofria pra rodar o jogo na época, e possuía diversas limitações.

Esses jogos de arcade são divertidos até hoje. E sempre valem uma revisita :)

(~.~)

Bom, esse post ficou meio bosta, espero que tenham curtido o TOP, e se quiserem sugerir correções, dicas para próximas postagens e afins, bem, é só mandar. Sabemos que vocês, dois leitores fieis desse blog, continuam acessando.

Até a próxima

Atos Finais