Novidades

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Fast Reviews: Homem Animal - O Evangelho do Coiote.









Homem Animal - O Evangelho do Coiote/Animal Man - The Coyote Gospel
Editora: Panini Comics
Roteiro: Grant Morrison
Arte: Chas Truog


Com uma introdução inovadora para o mercado de quadrinhos da época, Grant Morrison traz o até então ignorado Homem-Animal de volta à vida em um tom sério, sem perder a essência de um quadrinho de super herói.

Após Alan Moore revolucionar o mercado das histórias em quadrinhos da DC Comics com Monstro do Pântano, a editora percebeu que poderia arriscar em um novo modelo de seleção de títulos e roteiristas. Reviver personagens antigos, irrelevantes e (até então) bobos, e deixá-los sob responsabilidade de novos talentos não parecia uma má ideia. Dar total liberdade a um roteirista e acidentalmente "estragar" um personagem como Superman, por exemplo, não apresentava o mesmo risco que estragar um Monstro do Pântano ou Homem-Animal.

 E é aí que Grant Morrison entra na jogada. O rapaz, no meio dos anos 80, apesar de extremamente jovem, trouxe a um personagem até então considerado imbecil e insignificante, um roteiro de complexidade tremenda. Morrison apresenta o Homem Animal como "super herói de segunda linha", pai de família, que não tem nada próximo do glamour de um Batman. O início de sua fase no título, que também revive Fera Buana, já apresenta o caráter conscientizador das injustiças e maus tratos feitos contra os animais, que se faz presente em toda a revista.

 Em Evangelho do Coiote, Morrison impressiona por apresentar uma narrativa paradoxal -  fantástica e realista ao mesmo tempo. Ele brinca com um personagem que faz parte do imaginário de todos nós, inserindo-o em um mundo cruel e intolerante. O arco começa e termina de forma sincronicamente divertida e reflexiva. O Evangelho do Coiote foi um grande influenciador para que posteriormente fosse criado o selo Vertigo - separando histórias mais simples das mais emotivas, sérias e reflexivas.




Homem animal de Grant Morrison também foi lançado no Brasil pela Editora Brainstore (incompleto) e pela Abril em DC 2000 (completo).


Falamos também de:
                                       

































Atos Finais