Novidades

quarta-feira, 30 de março de 2016

As grandes heroínas da ficção científica


A ficção científica, infelizmente, ainda é vista como a caixa de areia dos meninos. Casos como o do prêmio Hugo – um dos mais respeitados do segmento – do ano passado, comprovam que para muitos autores e leitores, ainda falta maturidade para aceitar que não existe isso de “coisas de homem” e “coisas de mulher”.

 Queria ver um homem nessa situação...

Hoje, vemos um crescimento muito expressivo em ficção científica feita por mulheres, que vai desde grandes obras como A Mão Esquerda da Escuridão (livro de Ursula K. Le Guin o qual ainda pretendo falar um pouco mais em breve) até mais atuais como os best-sellers Jogos Vorazes (de Suzanne Collins).

Mas acho que ainda somos um pouco carentes de heroínas. De cada dez filmes e séries que pipocam por aí, pelo menos nove são predominantemente protagonizados por homens. Onde, afinal, estão as mulheres fortes, as grandes líderes, da ficção científica? Bom, cinco delas estão bem aqui embaixo.

Katniss Everdeen (Jogos Vorazes)

 
É livro para jovens adultos? É. É cheio de clichês? É. Muita gente tem preconceito? Sim. Isso faz da Katniss uma personagem menos interessante? Não! A arqueira de Jogos Vorazes é um modelo tanto para meninas quanto para outras personagens do gênero. Ao longo de três livros (ou quatro filmes), ele se mete em uma série de situações incômodas que certamente não estavam nos planos dela. É uma personagem não muito carismática, mas de posições bastante fortes. Resultado: nós, junto com a população dos treze distritos, ficamos na ponta dos pés vendo o que a garota em chamas vai aprontar.

Dana Scully (Arquivo X)

 
O lado cético da dupla Mulder-Scully, Dana rapidamente ganhou a simpatia dos telespectadores. Que atire a primeira pedra a jovem adolescente dos anos 90 que não pensou em pintar o cabelo de ruivo por causa da personagem de Gillian Anderson. Scully cresce organicamente no decorrer das temporadas de Arquivo X e deixou um gostinho de quero mais na boca de todo mundo. Prova disso foi a Fox ressuscitando a séria para uma décima temporada.

Kathryn Janeway (Stra Trek: Voayager)


Ela é uma fucking capitã de uma fucking nave da Frota Estelar. E com isso encerro meu caso, meritíssimo! Janeway não deve nada a seus antecessores Kirk, Picard e Sisko e consegue liderar uma das tripulações mais interessantes de toda a franquia Star Trek. O futuro (e as reprises) farão justiça a essa personagem incrível.

Sarah Connor (Exterminador do Futuro 1 e 2)


Vou ignorar a versão mais recente da personagem, tá? A Sarah Connor vivida por Linda Hamilton nos dois filmes da série dirigidos por James Cameron pode não ser a protagonista da história, mas ela certamente é mais motherfucker que o Kyle Reese, o T-800 e o T-1000 juntos. Especialmente no segundo filme, ela é a heroína que qualquer garota gostaria de ser. Ela funciona tão bem, que não é de se admirar que os filmes que não contam com a Linda Hamilton no elenco não fizeram sucesso.

Ellen Ripley (franquia Alien)


Em quatro filmes, Ellen Ripley foi a única pessoa capaz de fazer frente aos xenomorfos.  Interpretada pela excelente Sigourney Weaver, Ripley é simplesmente a melhor heroína já apresentada na tela grande. Se um dia você for dar uma voltinha pelo espaço, tenha certeza de que ela estará na sua equipe. Ou não, tendo em vista que todo mundo ao redor dela morre nos filmes. Talvez os aliens sejam melhor companhia...

Menções honrosas: Tem muitas outras personagens que mereciam destaque aqui, mas que não têm o mesmo impacto dessas cinco, na minha singela opinião. Destaco a relevância de Trinity (Matrix), Starbuck (Battlestar Galactica), Olivia Dunham (Fringe), Nyota Uhura (Star Trek) e Barbarella (do filme homônimo).

E aí? Esqueci alguém? Me dê seu palpite nos comentários!

Atos Finais