Novidades

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Penny Dreadful - 2ª temporada

Pois bem, pois bem! Eae, chuchus, beleza? Aqui quem fala é o PCB, e hoje vamos falar sobre a segunda temporada de um seriado com boas doses de terror, drama e fantasia: Penny Dreadful (perceberam que copiei o parágrafo de introdução do post sobre a 1ª temporada?). Vamos lá:




(lembrando que já falamos da primeira temporada aqui )

ENREDO: se na temporada passada o grupo liderado por sir Malcolm Murray enfrentou vampiros, dessa vez os inimigos são outros: bruxas. Mas se os vilões são diferentes, o objetivo de ambos é basicamente o mesmo: raptar Vanessa Ives, pois a jovem tem um grande poder sombrio dentro de si. No entanto, se Vanessa enfrentou os inimigos vampirísticos anteriores facilmente, dessa vez ela está aterrorizada, em especial porque as bruxas – lideradas por Evelyn Poole – parecem ter maior influência sobre este lado sombrio interior dela.



Este desespero da Srta. Ives leva Ethan Chandler, antigo aliado dela e de sir Malcolm, a ficar mais próximo dela, a fim de protegê-la, sendo que vamos descobrindo que a ligação entre eles não é mero fruto do acaso. Além disso, vamos descobrindo mais sobre o lado sobrenatural/”lupino” de Ethan (que conta com a ajuda de Sembene para isso), o que inclusive o levou a causar alguns acidentes, que o fazem ser procurado pela polícia e por outras pessoas.



Por fim, vale citar os acontecimentos que ocorrem com o dr. Victor Frankstein: como vimos no final da última temporada, vimos eles ressuscitando Brona Croft, antiga amante de Ethan, para que ela se tornasse a esposa de “John Clare” (a primeira criatura ressuscitada por Victor, que odeia seu “criador”). Nessa temporada, vamos vendo como Victor, por mais que tenha momentos íntimos com seus “monstros”, acaba perdendo o controle deles.




PONTOS POSITIVOS: nessa temporada, os membros do grupo de heróis principais pareceram mais separados entre si, mas ainda assim conseguiram dar atenção especial pra algum deles. Podemos começar citando a relação desenvolvida entre Vanessa Ives e Ethan Chandler, que vai oscilando entre uma forte amizade e um romance proibido (relação que ainda tem um lado sobrenatural antigo e pré-determinado...).



Outro núcleo que mostrou boas relações entre personagens foi no da “família Frankstein”. Primeiramente, vale lembrar do relacionamento desenvolvido entre Victor e sua mais nova criatura, Lily (nome adotado por Brona Croft), que aos poucos vai deixando de ser uma moça assustada e dependente de seu criador para se tornar uma mulher implacável (congratulações, aliás, pra atuação da atriz Bilie Piper). Além disso, vimos ainda como a relação entre Victor e “John Clare” é difícil de ser reparada; e como os “filhos” do dr. Frankstein foram descobrindo que são maiores e mais poderosos que humanos comuns (isso vai dar plot pra 3ª temporada...).



Por fim, vale citar a amizade desenvolvida entre outros personagens, como: Vanessa e “John Clare”; Ethan e Sembene; Lily (ou Brona) e Dorian Gray; Victor e Vanessa; etc.




PONTOS NEGATIVOS: bem, vamos começar com um mesmo problema da primeira temporada: os vilões (no caso, vilãs). No geral, as “bruxas” foram bem mais interessantes, mesmo porque definiram melhor qual era o interesse delas, em relação especialmente à Srta. Ives; quem era o chefe delas; e como funciona os poderes delas. Porém, erraram em certo ponto ao querer transformar elas em “vilões físicas”, em vez de focar só na magia, gerando algumas cenas forçadas. Podiam ter focado mais nesse terror psicológico causado pela magia também.



Além disso, como foi dito anteriormente, o grupo de heróis principais pareceu mais separado dessa vez. Apesar de isto ter um motivo na trama, fica mais difícil convergir todos os personagens da série em um mesmo arco (tem alguns, como o arco do Dorian Gray, que nem cito). Vale citar que nessa divisão dos protagonistas, alguns ficaram sub-aproveitados, como o sir. Malcolm.



EAE, VALE? a série continua boa, trazendo aquele clima de grupo de personagens habilidosos enfrentando o sobrenatural na era vitoriana. Infelizmente, os vilões/vilãs não foram novamente bem aproveitados. Além disso, alguns personagens não tiveram tanta relevância. Mas, apesar de tudo, Penny Dreadful continua interessante, e nos deixou muitas questões a serem resolvidas na próxima temporada. Que venha logo, então.



NOTA: 7/10

Atos Finais