Novidades

1 de setembro de 2015

Análise: Social Comics - O primeiro serviço de streaming de HQs do país


Sabemos que o mercado nacional, por mais destaque e publicações de grandes e medias editoras nos últimos anos, nunca conseguiu levar ao público a imensa quantidade de obras produzidas em nosso país. O acesso a elas é relativamente difícil e o trabalho dos quadrinistas para conseguir publicá-las não é nada fácil.

Mas o que é o Social Comics?


Uma plataforma para Web, IOs ou Android, que mudará a sua maneira de ler quadrinhos.
Bem, por enquanto só Web e Android. Ao menos enquanto redijo esse review no dia do lançamento, na noite de 31 de agosto de 2015.

Ou se preferir - e como chegou até mim - "O Netflix dos quadrinhos nacionais."

 Primeiros passos e impressões


Ao acessar o aplicativo do Social Comics no Android me deparei com a bela notícia de 14 dias grátis para testar o serviço, o que já dá um gás para explorar a biblioteca do mesmo.



Segui os passos para me cadastrar no serviço, o que ocorreu muito bem. Aqui temos um ponto importante, mesmo para testar o serviço é preciso cadastrar um cartão de credito, assim como no Netflix, mas não se preocupem é possível cancelar a assinatura posteriormente de forma fácil pelo próprio aplicativo.

Cadastro feito, ansiedade lá em cima e finalmente abro faço login, começo a ver o catalogo e a interface do aplicativo.

Inicialmente fiquei feliz em ver obras do cenário "underground" e outras mais fáceis de achar e conhecidas, como a revista Mundo dos Super-Herois e Juiz Dredd Magazine.

Transitando mais um pouco pela página inicial percebo que a variedade, e posteriormente, a qualidade de alguns títulos, está bem abaixo do esperando - mas é preciso paciência, pois é a primeira noite do serviço.

Transitei um pouco pelas outras telas, como: Editoras, Independentes, Selos, Artistas e Comics.

       





Além da relativa falta de conteúdo, a categoria comics foi meio que um soco no estomago. Eu realmente queria muito abri-la e encontrar ao menos um de meus heróis favoritos e, de preferencia, em português. Eu aceitaria até alguma coisa dos encadernados da MSP.

Abaixo vocês podem ver o que eu encontrei:



Sim! Quadrinhos da Era de Ouro e, em inglês. Isso pode até ser legal pra quem quer se aprofundar a um nível histórico, e é um excelente bônus, claro, mas convenhamos que não há como abrir um aplicativo de quadrinhos e não querer ver alguns Super-Heróis clássicos menos clássicos que o Captain Science, por favor.

Interface e leitura


Como visto nas imagens anteriores nesse post, a interface é bem simplória e ainda carece de mais detalhes, mas funciona. Não tive nenhum problema durante o uso.


Vamos analisar um pouco a tela mais importante do aplicativo, a de leitura. Nela temos botões para dar e reduzir o zoom, ver informações da HQ e ver as miniaturas das páginas, aqui tudo também funciona perfeitamente, mas novamente o aplicativo carece de um maior número de funções, principalmente se comparado a leitores de outros serviços.

Outra função bastante atraente é a possibilidade de baixar as HQs para ler offline.

    


Preços, considerações e otras cositas más


O preço para ter acesso ao acervo do Social Comics, é de R$ 19,90 por mês, o que é um preço bastante atraente se você já for comprador mensal de duas revistas que já estão por lá, por exemplo.

Outra vantagem legal é para os quadrinistas e editoras, que realmente tem acesso facilitado para começar a publicar no serviço.



Para os autores e editores, a remuneração será feita por meio de uma divisão proporcional ao número de páginas lidas de 70% do valor arrecadado com mensalidades. A partir do dia 22 de julho, o site abrirá inscrições para os autores independentes que quiserem disponibilizar suas HQs pela plataforma. - Segundo o Universo HQ.

O Social Comics realmente é uma iniciativa bacana e é o tipo de ideia que eu espero que vingue, embora necessite de alguns ajustes e de uma biblioteca mais vasta e diversificada.

Atos Finais