Novidades

22 de maio de 2015

The Wire - 3ª temporada

Pois bem, pois bem! Eae, galere, tranquilo? Aqui quem fala é o PCB, e hoje vamos falar da terceira temporada da série The Wire. Vamos lá:




(lembrando que já falamos da primeira e segunda temporada)

TRAMA: como vimos na última temporada, a equipe em que Jimmy McNulty trabalha, liderada pelo tenente Cedric Daniels, foi institucionalizada, funcionando como um departamento (agora fixo) em que, através de escutas, se busca derrubar o tráfico de drogas. Porém, Jimmy quer ir atrás de um criminoso em específico, Stringer Bell, o que o leva a agir de forma impulsiva, gerando confusão com membros de sua equipe.



Como já vimos, Stringer Bell era um dos grandes traficantes lá da primeira temporada, parceiro de Avon Barksdale. Porém, Avon foi preso no final da mesma temporada, sendo que na segunda Stringer cuidou dos negócios sozinhos. Nessa terceira temporada, Avon consegue ser solto em condicional, buscando retomar seu posto em seu império das drogas.



No entanto, Avon tem que lidar com um forte rival que surge nas ruas, chamado Marlo, um jovem esperto e cruel. A partir deste ponto, Avon entra em conflito com Stringer, pois este queria legalizar seus negócios, enquanto Avon queria continuar nesse esquema de briga entre gangues. Além disso, uma velha questão familiar volta pra aumentar a distância entre os dois.



Outra questão que preocupa Avon e Stringer são os ataques de Omar, uma espécie de justiceiro urbano, que desde a primeira temporada esta tentando derrubar os dois traficantes por causa de uma tragédia pessoal, sendo que sua vingança só ganha forças.



Além de seguir contando a história destes personagens, essa temporada apresenta mais dois núcleos novos (relevantes): Howard Colvin é um major da polícia (antigo chefe de Jimmy) prestes a se aposentar que, como não tem nada a perder a longo prazo, resolve colocar um plano ousado em prática: pegar todos os traficantes da cidade e colocá-los em alguns pontos específicos da cidade (aumentando a criminalidade nestes pontos, mas diminuindo no resto da cidade).



Tal ação acaba (sem falar da criminalidade imensa) acaba gerando discussões no meio político, e Tommy Carcetti, um deputado local, começa a planejar uma maneira de se tornar prefeito pra poder arrumar a cidade.




 PONTOS POSITIVOS: os personagens continuam muito bem trabalhados, assim como o roteiro, que nos mostra não só o trabalho investigativo da polícia (imagine como deve ser louco tentar usar escutas em telefones que todo dia são trocados), como também a trama dos criminosos e, agora mais do que nunca, dos políticos e altos escalões da polícia (que muitas vezes também são criminosos).



PONTOS NEGATIVOS: como deu pra perceber no resumo, a trama vai ficando mais complexa, conforme núcleos novos são apresentados. Porém, nem todos estes núcleos são tão interessantes. Não chega ao ponto de irritar, mas é apenas desnecessário.



EAE, VALE? A série deu uma boa melhorada em relação à segunda, e deixa aberta uma série de possibilidades bacanas pra quarta temporada. A trama, agora mais complexa, não chega a cansar ou afastar o espectador, mais nos envolve cada vez mais graças aos nossos já conhecidos personagens tão carismáticos e falheis (como humanos devem ser). Que venha a quarta.


NOTA: 8,8/10

Atos Finais